DestaquesFixoMato Grosso do SulPolítica

Deputados de Mato Grosso do Sul abasteceram mais de mil litros de combustível em 1 só dia

"Tanqueadas" do Gordinho do Bolsonaro e de Geraldo Resende custaram, cada uma, mais de R$ 7 mil aos cofres públicos

Os deputados federais de Mato Grosso do Sul gastaram R$ 383.705,64 da cota parlamentar em combustíveis no ano passado, conforme levantamento feito pela reportagem com dados fornecidos pela Câmara dos Deputados. A maior “tanqueada” de 2023 ocorreu no dia 12 de dezembro e foi realizada pelo deputado federal Rodolfo Nogueira (PL), o Gordinho do Bolsonaro.

Em um só dia, Nogueira abasteceu 1.222,87 litros de gasolina comum no Posto Patrícia Eireli, localizado na Av. Marcelino Pires, em Dourados, cidade distante 230 km de Campo Grande e que é base do deputado federal. O custo da “tanqueada” aos cofres públicos foi de R$ 7.324,99. O gasto por litro, conforme consta na nota fiscal enviada por Nogueira à Câmara, foi de R$ 5,99.

A segunda maior “tanqueada” do ano também foi de outro deputado federal de Dourados: Geraldo Resende (PSDB). O abastecimento, porém, foi efetuado em Campo Grande, no Auto Posto Afonso Pena.

Em 29 de setembro de 2023, no referido posto de combustível, Resende abasteceu nada menos que 1.164,03 litros de gasolina aditivada Ipimax, a R$ 6,09 o litro. A “tanqueada” custou R$ 7.088,94 aos cofres da Câmara dos Deputados.

A nota fiscal, porém, tem um valor um pouco maior, de R$ 7.756,82. É que nela constam abastecimentos menores, em litros e valores, realizados no mesmo posto e até de outros combustíveis, como etanol e gasolina comum.

Aliás, esses parlamentares não são os campeões de gastos com combustíveis em Mato Grosso do Sul, mas sim na prática de abastecer uma grande quantia em apenas um só posto de combustível.

Os outros deputados, segundo apurou a reportagem, justificam seus gastos com dezenas de notas fiscais de valores próximos a de abastecimentos reais, entre R$ 100 e R$ 400, conforme o combustível e a capacidade do tanque do automóvel.

Os que mais gastam

E por falar em ranking, entre os integrantes da bancada federal de Mato Grosso do Sul,

o deputado do PP Dr. Luiz Ovando foi quem mais gastou com combustível no ano passado.

De janeiro a dezembro, Ovando desembolsou R$ 56.285,06 em postos de combustíveis. Reeleito para mais um mandato, ele só superou o Gordinho do Bolsonaro porque o deputado douradense do PL começou a usar a cota parlamentar em fevereiro, quando tomou posse.

Em todo o ano passado, Nogueira gastou nada menos que R$ 55.941,97 nos postos. Caso os R$ 1.987,88 de janeiro de 2023 fossem computados, certamente o parlamentar do PL ficaria no topo do ranking.

Quem também usa muito de sua cota parlamentar para despesas com combustível é o deputado federal Beto Pereira (PSDB), que também tem se colocado como pré-candidato a prefeito de Campo Grande. No ano passado, ele e sua equipe usaram R$ 54.537,80 do dinheiro público para bancar idas e vindas com os automóveis do gabinete.

O quarto que mais gasta com combustível em Mato Grosso do Sul é Resende. O tucano de Dourados gastou, no ano passado, R$ 53.015,88 nos postos usando dinheiro da Câmara.

Os econômicos

Os demais deputados desembolsaram menos de R$ 50 mil em 2023. Os petistas foram os que menos gastaram: Vander Loubet gastou R$ 36.862,63 da sua cota para abastecimentos, e Camila Jara, R$ 38.825,82.

Já Marcos Pollon, que também é presidente do PL em Mato Grosso do Sul, destoa de seu correligionário: no ano passado, ele gastou R$ 40.218,92 em “tanqueadas”.

Por fim, o quinto que mais gastou com abastecimentos de combustíveis – na coluna do meio ou, talvez, no meio da pista – é Dagoberto Nogueira (PSDB), com a soma de R$ 48.017,56 durante o ano passado.

SAIBA

A soma dos gastos dos deputados federais de Mato Grosso do Sul com combustível no ano passado chegou a mais de R$ 383 mil. Os que mais gastaram foram Dr. Luiz Ovando (PP) e Rodolfo Nogueira (PL), o Gordinho do Bolsonaro.

 

Fonte CE.

Redação Gdsnews.

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo