DestaquesFixoMato Grosso do SulPolítica

Riedel e Cida Gonçalves assinam a criação de casas da Mulher em Corumbá e Dourados.

Ministra apontou que, erguidos os edifícios, os municípios receberão R$ 2 milhões após para a gestão das unidades.

Cida Gonçalves, ministra das Mulheres, durante agenda na manhã desta segunda-feira (29) em Campo Grande ao lado do governador Eduardo Riedel, assinou os Acordos de Cooperações Técnicas para construção das unidades de Dourados e Corumbá da Casa das Mulheres.

Ainda no sábado, a ministra pousou em Mato Grosso do Sul, para encontro com parlamentares e do Conselho Estadual de Mulheres, e hoje anunciou o trabalho conjunto entre os governos Federal e Estadual; prefeituras municipais; Tribunal de Justiça; Ministério Público e Defensoria Pública.

“Vamos colocar um investimento de R$ 2 milhões após a construção para a gestão da casa. A de Dourados tem um valor de R$ 16 milhões e a de Corumbá R$ 7,5 mi, que nós já repassamos para o governo do Estado, com mais o valor de manutenção após a inauguração, estaremos repassando um aporte de R$ 31 milhões para as casas poderem funcionar”, afirmou a ministra em coletiva.

Além dela, Eduardo Riedel também comentou a parceria que busca acabar com a violência contra a mulher, porém, frisa que esse não é um resultado que aparecerá “da noite para o dia”, segundo o governador.

“Esse é um processo que a gente tem que todo dia exercitar nas nossas ações públicas. Então isso vem a se somar todas as ações de políticas públicas que o estado tem feito, as delegacias especializadas, as salas lilases… tudo isso vem consolidando uma ação nossa contra a intolerância. Temos que, cada vez mais, reafirmar esse movimento e ter dias melhores no nosso estado e no Brasil”, completou.

Também, Cida Gonçalves complementa destacando que a Casa da Mulher em Dourados terá um atendimento específico para as mulheres indígenas. “E com isso nós esperamos que ela seja uma referência nacional para o atendimento das mulheres indígenas”, pontua.

Riedel classificou a contrapartida do Estado como “pequena”, cerca de R$ 375 mil, segundo o Governador, e pontua que tem mobilizado as estruturas do Estado para que o esse acolhimento aconteça com agilidade. “Em um ambiente digno e passar a mensagem, cada vez mais, para a sociedade de não admitir qualquer tipo de violência ou intolerância contra a mulher”, conclui.

Visão dos municípios

Questionado sobre a importância das ações, o prefeito por Corumbá, Marcelo Aguilar Iunes, indicou alguns serviços do municípios – Centro de Referência de Atendimento às Mulheres e patrulha Maria da Penha – que devem ser aprimorados com a estruturação da Casa da Mulher na Cidade Branca.

“Se vier tudo o que está no convênio vai ser muito bom, porque é regional, vai ficar em Corumbá, mas atender também ao Pantanal. Vamos fazer a assinatura do convênio para depois procurar um local ideal para atender a metragem do terreno, já que a União vai entrar com a construção e depois o Estado e município ficam responsáveis pela parte de recursos humanos e manutenção”, descrever ele.

Já o chefe do Executivo em Dourados, o prefeito Alan Guedes, descreveu a casa mulher brasileira com um equipamento de importância fundamental para combater as violências de uma maneira geral. “Um trabalho interdisciplinar que vai permitir que a gente consiga encarar com mais organização os desafios impostos pela violência à mulher”, disse.

Semelhante, Guedes também comentou algumas ações municipais esparsas, que a partir da construção e criação efetivamente da Casa da Mulher, passam a ser um trabalho contínuo, o que deverá otimizar o trabalho de acolhimento à vítima de violência, pontua o chefe do município.

“Dourados tem uma característica difícil que é a violência específica contra mulheres indígenas, em razão de todas as questões ligadas à reserva indígena do município. Isso tudo permite que a gente vislumbre um Horizonte de mais proteção às mulheres”, citou ele.

Alan Guedes ainda revelou que, em um primeiro encontro com Cida Gonçalves, ainda em junho de 2023 na Capital, o município de Dourados indicou a entrega de um terreno como contrapartida, para que os projetos realmente saíssem do papel, o que, segundo o prefeito, foi concretizado com um espaço de 8,5 mil m².

“Encontramos um que atendesse às recomendações da estrutura do órgão; dentro da área da metragem, até a localização pensada, mais próxima à reserva, numa área de transição ali de acesso à cidade, que vai ficar muito bem organizada. Sexta-feira foi publicado o termo de adesão da prefeitura junto ao Ministério da Justiça para homologação da casa da Mulher Brasileira. É um passo fundamental que precisava ser feito pela prefeitura, porque se a gente não tivesse entregue o terreno e não aderisse ao programa, o Ministério não poderia construir na cidade”, apontou Guedes.

Ações do ministério

Para além das casas, a visita de Cida trouxe a pactuação com o Programa “Mulher, Viver sem Violência” (lançado em 13 de março de 2013), estruturado nos seguintes eixos, segundo o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania:

| Implementação da Casa da Mulher Brasileira

| Ampliação da Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180

| Organização e humanização do atendimento às vítimas de violência sexual

| Implantação e Manutenção dos Centros de Atendimento às Mulheres nas regiões de fronteira seca

| Campanhas continuadas de conscientização

| Unidades Móveis para atendimento a mulheres em situação de violência no campo e na floresta

Sendo um programa de acesso das mulheres aos serviços públicos, além de buscar impedir a violência de gênero, essa retomada sinaliza um encaminhamento, segundo o ministério, para um Brasil sem misoginia.

Nesse evento estiveram presentes autoridades como a primeira-dama, Mônica Riedel; as parlamentares Camila Jara, Mara Caseiro e Luiza Ribeiro; além da senadora Soraya Thronicke; das representantes do Governo, Ana Carolina Nardes e Ana Ali Garcia; da desembargadora Jaceguara Dantas e da titular da 1ª Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, Elaine Cristina Ishiki Benicasa.

Ainda nesta segunda-feira (29) Cida participa do Encontro com Mulheres da Agricultura Familiar, realizado no auditório do Bioparque Pantanal, para uma escuta ativa do ministério das Mulheres.

 

Fonte CE.

Redação Gdsnews.

 

Mostrar Mais
Botão Voltar ao topo